Tabelas de Medidas

Medidas Plus Size: ABNT e ABRAVEST lançam discussão para estabelecer novo código de normas e tamanhos

A grade de numeração da maioria das redes varejistas e marcas em geral vai do 36 ao 44. Todos os manequins acima dessa faixa ficam restritos às lojas do segmento plus size, mas ampliação desse mercado no Brasil sucita atenção em torno desse padrão. O que, afinal, configura um tamanho grande? Essa é uma das perguntas que norteiam uma nova discussão do Comitê Brasileiro de Normalização Têxtil e Vestuário. Segundo Maria Adelina Pereira, superintendente da instituição, uma norma atualizada está sendo estudada, mas o processo é minucioso e demorará cerca de dois anos para ser finalizado. “Alguns acreditam que o padrão plus-size começa a partir do 44, já outros 46”, comentou.

Outra particularidade importante desse segmento é a forma de medir o perfil. “As costassão um ponto importante para os gordinhos. Nos tamanhos maiores temos que medir de ombro a ombro, por exemplo. Nos manequins normais acontece uma despreocupação neste sentido.” A cintura também é outro fator: “Muitos preferem usar a roupa acima da barriga, outros no meio dela ou abaixo. Isso gera variação na hora de normatizar a medida da cintura”, explica Maria Adelina.

A necessidade de uma avaliação mais minuciosa é devida aos recentes dados mostrados pelo IBGE, que apontou 21,7% dos jovens entre 10 e 19 anos com excesso de peso em 2009. Em 2020, a previsão é de que 30% da população brasileira (cerca de 55 milhões de pessoas) esteja nesse patamar.  Esses dados, aliados ao poder de compra e mudança no perfil desses consumidores, têm estimulado a especialização das confecções nesse nicho do mercado. O público, afinal, deseja roupas com seu tamanho que também sigam as tendências de moda. 

As normas são propostas voluntárias e não impostas ou supervisionadas, mas, se bem estabelecidas, são um bom parâmetro para o consumidor e o mercado como um todo.
 

Compartilhe este conteúdo

Enviar por E-mail

Novas regras de numeração de roupas não são obrigatórias, mas podem diminuir trocas e facilitar vendas pela Internet

Depois de 15 anos de pesquisas e mais de R$400 mil de investimento declarado, a Abravest (Associação Brasileira de Vestuário) apresenta oficialmente um projeto para a normalização das medidas das roupas no Brasil.

"A numeração atual com P, M, G e a grade do 36 ao 44 são ilusórias. Já que como sabemos essas medidas variam muito dependendo da loja e do estabelecimento", disse Maria Adelina Pereira, superintendente da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), explicando o porquê da importância das novas normas.

A implementação na grade infanto-juvenil já foi aderida, a grade masculina está passando por consulta pública e a feminina já está sendo finalizada, com planos de ser concluída até o primeiro semestre de 2012.

Essa adequação se baseou na mudança corporal da população brasileira ao longo dos últimos anos, que no caso do masculino será até divida em três biótipos: normal, atlético, obeso. Já no feminino haverá medidas para busto e quadril, e a proposta é que as calcinhas e sutiãs sejam vendidos separadamente pois também trarão medidas no lugar da numeração.

Segundo Maria Adelina, as medidas são  "baseadas no tórax, estatura e medida da cintura, basicamente", e contam também com outras medidas, como a dos ombros e "comprimento entrepernas".

Para se ter uma noção a sugestão das organizações é que cada peça venha com uma etiqueta (como as da galeria acima), com algumas medidas e estatura para consulta do consumidor. A proposta é também que cada loja tenha uma tabela corporal para que os lojistas possam guiar os clientes na hora da compra.

Segundo Maria Adelina, é uma regulamentação "não obrigatória, mas voluntária", e que a ABNT estabeleceu parceria com o Instituto Totum, certificadora credenciada pelo INMETRO, no qual haverá uma lista das confecções participantes.

"As confecções de moda infantil já comentaram que as trocas e a necessidade de experimentar diminuiu", afimou a superintendente. Além disso, segundo Roberto Chadad, presidente da Abravest, haverá uma economia de matéria-prima, e as confecções homologadas terão benefícios ecônomicos e competitivos devido a essa diminuição de troca e certeza na produção em larga escala; e também será importante para o mercado de compras online.

O Chic vai acompanhar este processo de implementação neste link. Acompanhe.

Compartilhe este conteúdo

Enviar por E-mail

Não existe tabela oficial de medidas para roupas e sapatos, nem brasileira nem universal, segundo ABIT e ABNT

Com o crescimento das lojas virtuais, muitos leitores do Chic querem saber como converter suas medidas para os padrões usados em outros países do mundo. Infelizmente, não há uma tabela de medidas oficial que regulamente a númeração de roupas e calçados.

No Brasil, inclusive, tanto a ABIT (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confeccção) como a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) afirmaram que não há normas de vestibilidade - há um processo para padronizar os tamanhos, mas que atinge por enquanto só o mercado de roupas infantis.

Fique de olho, pois as tabelas costumam variar, inclusive, entre os sites que vendem roupas online.  Algumas marcas tem padrões próprios de numeração e, na Europa, a numeração varia bastante entre os países. Você sabia que o mesmo número na etiqueta pode significar tamanhos diferentes na Alemanha e Espanha, por exemplo?

Para ajudar, reunimos algumas informações que podem ajudar na sua escolha na sessão especial Tabelas de Medidas. Mas procure sempre comprar em sites que apresentam o produto medido com fita métrica, para você prever como vai ficar no seu corpo o máximo possível.

Compartilhe este conteúdo

Enviar por E-mail

Calçados masculinos

BRASIL 39 40 41 42 43 44    
EUA 8 9 10½ 11½ 12½ 13  13½
EUROPA 41 42 43 44 45 46½ 48  48½

Compartilhe este conteúdo

Enviar por E-mail

Camisas masculinas

BRASIL 35 37 39 40 41 42 43  
EUA 14 15 15½ 16 16½ 17 17½  
EUROPA 36 38 39 41 42 43 44  

Compartilhe este conteúdo

Enviar por E-mail

Ternos

BRASIL - 46 - 48 - 50 52  
EUA 34 36 38 40 42 44 46  
EUROPA 44 46 48 50 52 54 56  

Compartilhe este conteúdo

Enviar por E-mail

»Notícias Anteriores